Comentários
Votos (114)

29 Fev 2004 21:53
Enquanto não discutirem o problema do casamento homosexual, acho muito prematuro discutir a adopção de crianças por homosexuais. Uma coisa de cada vez.

28 Fev 2004 21:08
Olá a todos/as! Bom, apesar deste tema ser ainda hoje em dia muito controverso, a verdade é que tudo isto se torna muito relativo, e ora dum lado temos os activistas que defendem a adopção de crianças por casais homossexuais, pelo outro lado temos todos os homofóbicos que defendem a teoria que todo aquele que é criado/educado por homossexuais torna-se ele também um homossexual. Acho essa teoria das coisas mais ridículas e que foram inventadas até aos dias de hoje. Eu sou homossexual, e fui criado e educado num ambiente tipicamente heterossexual. Toda a minha vida cresci e aprendi que um casal ideal era formado por um homem e uma mulher, e posteriormente os dois deveriam procriar para que a humanidade continuasse, e por assim adiante. Contudo, essa minha educação e treino para o mundo heterossexual não se afirmou nos meus gostos, atitudes e preferências sexuais e/ou pessoais. Muito pelo contrário: cresci a questionar-me se de facto era homossexual ou não, e acabei por acreditar que já tinha nascido gay. Aprendi a gostar de mim, e hoje em dia não tenho medo nenhum de dizê-lo que o sou: gay. Acho que uma criança pode crescer em qualquer ambiente, seja ele heterossexual, lésbico ou gay, desde que as condições afectivas, culturais e sociais sejam mínimas e exijam tudo aquilo a que uma criança tenha direito: amor, saúde e paz. Embora eu não tenha qualquer objectivo em adoptar nem ter nenhuma criança, acho que esse direito à adopção deveria ser acedido, desde que a pessoa que tem esse desejo tenhas as condições afectivas, sociais e educacionais suficientes, para que a criança nasça num lar de respeito, amor e "normal". Acho que por agora é tudo, é apenas mais um ponto de vista. Beijos e abraços; Vítor F. xxx

27 Fev 2004 9:51
Acho os casais homoxessuais perfeitamente normais e como tal aptos a criarem os seus filhotes sã e correctamente. Quem me dera ter um companheiro para poder também optar por uma criança

27 Fev 2004 1:11
O judiciário brasileiro criou jurisprudência sobre esta matéria ao dar a guarda do filho de Cássia Eller (cantora famosa de pop\rock morta recentemente) à sua companheira, apesar dos esforços veementes do avô materno do garoto para mantê-lo sob sua guarda.

26 Fev 2004 17:46
Dum lado os gays, supostamente inteligentes e letrados, que querem a adopção, doa a quem doer, pq temos que ter direitos iguais a toda a gente (e pq não?) e não há mais conversa, pq agora até já estamos na CEE e portanto temos que estar ao nível dos países mais ?civilizados?. Do outro lado os homófobos, tb. supostamente inteligentes e letrados, alguns até ocupando cargos públicos de certa responsabilidade, bradando que seria a maior infelicidade para qq criança ser educada por uma casal homo. No entanto sem o mínimo escrúpulo em reenviar bebés para as suas famílias biológicas em que já existe um historial de maus-tratos. Até que, por fim, quando estas são barbaramente assassinadas, se instaura um rigoroso inquérito e se conclui que os ditos responsáveis tiveram uma actuação exemplar. No meio disto tudo as crianças como meros adereços ou armas de arremesso. Mas pesando os prós e os contras sou a favor da adopção por gays. E muito simplesmente porque os argumentos ?contra? me parecem inconsistentes ou, até, incoerentes. Argumenta-se, p. ex., que sendo educado por um casal do mesmo sexo, a criança não tem as figuras parentais H x M, equilibradas e ?normais? que lhe permitam desenvolver a sua personalidade de uma forma saudável e integrada (ou coisa que o valha, não tenho a mínima pachorra para este jargão pseudo-intelectual, ridículo e ainda por cima inútil...). Mas nos internatos e quejandos, onde se encontram essas tais figuras parentais equilibradas e normais? Em gente como o inefável dr. Villas-Boas? Em gente como a sagaz dra. Catalina Pestana que, quando entrou para a direcção da Casa Pia, prometeu que acabariam os abusos sexuais porque iria dar preferência a gente casada e com filhos para trabalhar como funcionários dessa instituição, esquecendo, muito convenientemente, que 3 dos ?arguidos? da novela Casa Pia são casados e com filhos (Carlos Cruz, Hugo Marçal e Manuel Abrantes)? Será que uma criança criada por um casal hetero em que o pai espanca regularmente a mãe (ou vice-versa...) ou em que o pai abusa sexualmente das filhas, virá a ser psicologicamente mais sã que uma criança educada por um casal do mesmo sexo, em que há um mínimo de respeito e educação? Outro argumento tb muito utilizado, não só pelos homófobos como pelos próprios gays e heteros gay-friendly, tem a ver com a inserção social e a ?crueldade natural? da criancinhas (como se os adultos fossem melhores...). Pois... mas e daí? Se uma criança for vítima de discriminação na escola por motivos de raça, deficiência física, etc. deveremos impedi-la de frequentar a escola ao invés de punir os seus torcionários? Para combater a violação das mulheres deveremos proibi-las de sair à rua (ou impor-lhes o recolher obrigatório) em vez de punir os violadores? Nunca ouviram falar de uma coisa chamada educação (e não me estou a referir a regras de etiqueta)? Além disso num país em que, num centro comunitário gay e lésbico, é possível vermos um gay a referir-se a outro como ?aquela bicha? (em tom depreciativo), faria mais sentido preocuparmo-nos 1º com a nossa própria crueldade e discriminação e só depois com a dos outros. Se de cada vez que alguém fosse discriminado por motivos relacionados com orientação sexual os gays e filogays manifestassem o seu repúdio de forma clara e veemente e os responsáveis fossem chamados à ordem, provavelmente pensariam 2 vezes antes de fazerem das suas e já não se poderia usar a ?crueldade natural? da criancinhas, como argumento hipócrita que só demonstra que quem o utiliza, no fim de contas se está cagando para os putos e é tão homófobo como os outros. De facto um casal de lésbicas pode até nem ser o ideal, mas entre isso e deixar as crianças a criar bolor nos internatos em que os outros internos mais velhos e/ou mais fortes, funcionários & Co. as sujeitam a abusos físicos/psicológicos/sexuais, parece-me que a escolha não é assim tão difícil. No fim de contas o ideal não existe e a ?arte? consiste em escolher o menor entre 2 males e não entre o bem e o mal. Sabem que mais? Eu já tou com?ó Herman, nem peço às pessoas que aceitem tudo incondicionalmente. Se têm problemas de auto-estima e ficam mais felizes a discriminar, então que discriminem (que é pró lado que eu durmo melhor) e vão pró c... campo apanhar flores, mas ao menos dêem-se ao trabalho de arranjar melhores argumentos para se justificarem.

25 Fev 2004 21:29
TEMOS MUITO AMOR PARA DAR! As crianças merecem crescer num ambiente de harmonia e amor, nao interessa se os pais sao heteros ou gay, interessa é que saibam dar amor, educação e respeito pelos outros.

25 Fev 2004 18:28
Sou a favor mas nao para mim e fico surpreendido com a quantidade de portugueses gay que ainda se preocupa com os problemas de insercao na sociedade. Se ha alguma coisa que aprendi com assumir-me ser homossexual e que ha muito orgulho na diferenca e que, com o tempo, as sociedades mudam. Como tal, os problemas de insercao na sociedade so existem se ninguem se mexer devido ao medo. Como disse o anonimo do dia 25, os afectos sao o prinicipal na educacao de um ser humano e ha que lembrar que os gays provem de casais heterossexuais.

25 Fev 2004 15:49
Gostaria de pedir publicamente desculpas ao sr João Paulo,por ter andado a portar-me mal!!!Foi uma fase menos boa da minha vida,k me fez andar zangado com o mundo!!!

25 Fev 2004 14:45
Eu creio que ainda existem muitas etapas a serem conquistadas antes de poder existir a preocupação da adopção de uma criança. Eu sei por experiência própria. Criei sózinho uma criança desde os 13 meses até aos 18 anos. Foi bastante bom, mas tive problemas incalculáveis.

25 Fev 2004 12:52
Os estudos mais recentes revelam que o que é verdadeiramente importante são os afectos, venham eles de quem vierem. Lembrem-se que a maioria dos homossexuais são filhos de casais heterossexuais!

25 Fev 2004 12:10
gostaria de ser pai adoptivo mas o preconceito e a ignorancia, lema da sociedade portuguesa, teimam em prevalecer. Se os meus pais sao heteros e educaram um filho homosexual porque é que eu sendo homossexual nao posso educar um filho/a heterossexual. A questao sexual so existe mesmo nas mentes mais perversas e mesquinhas que abundam em portugal. O amor nao tem sexo.

25 Fev 2004 8:29
Nao vejo diferenca entre ser um pai biologico ou adotivo homossexual ou heterossexual de uma crianca. Ignorancia e' o maior perigo da humanidade.

25 Fev 2004 3:17
vivo com minha mae e filho unico.... havera alguma vez chances de adpotar uma criança.....