Carta ao Director do Jornal Público (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay

  


Carta ao Director do Jornal Público



Este documento não foi subscrito pelo PortugalGay
Conteúdo da exclusiva responsabilidade dos signatários.mais informações
30 Agosto 2004

Os recentes comentários de Maria Filomena Mónica, na sua coluna deste jornal, acerca do Big Brother, inglês e português, nada teriam de mais para me levar a pronunciar, visto ser uma análise que considero interessante e inteligente, que na generalidade subscrevo, a não ser um pequeno, mas significativo comentário, ao comparar o Zé Maria à Nadia e ao considerá-la uma "aberração da natureza".

Primeiro, convém desde já esclarecer, que sendo eu uma transexual, me sinto pessoalmente atingida e insultada, daí este meu impulso de escrever esta carta, mas ainda mais vindo de uma pessoa que considero bastante culta, para não falar daquilo que não sabe, e suficientemente civilizada e de abertura de espírito para não alimentar preconceitos vulgares e discriminatórios.

Ser transexual, é ser alguém que não se identifica na sua identidade do género, com os seus órgãos genitais, e embora sejamos uma percentagem muito reduzida da população em geral, existimos e sempre estivemos presentes ao longo da história da Humanidade, não como "aberrações da natureza", mas como seres humanos, tanto na sua grandeza como fraqueza. Faz parte das sociedades civilizadas e cultas, que considerava ser um dos pilares das ideias que MFM defendeu e tem vindo a defender ao longo destes anos de intervenção cultural, valorizar e tratar como seres humanos na sua plenitude, combatendo a discriminação e falta de sensibilidade para com gente que no seu dia a dia é frágil e sofredora, por natureza.

Por aí também se mede o grau de civilização de um país, e embora não sejamos muitas e não andarmos constantemente com um rótulo na testa também em Portugal existimos, e por mim falo, empenhamo-nos em ser mais do que casos clínicos excepcionais, somos pessoas na plenitude dos nossos direitos e deveres, e a quem a sociedade deve dar lugar a poderem expressar a sua real personalidade.

Sem "querer ser cínica", mas sendo, custa-me a crer que MFM, depois de três meses em Inglaterra, o eco do que lhe chegou e que considera importante para a sua crónica é vir falar do lado "lixo" do Big Brother, e estilo tablóide vir falar da "mulher, com grande par de mamas", e não considerar como relevante e válido, como o faz, por exemplo o "Observer", um jornal de referência (como cita na sua crónica), que a vitória inédita e expressiva nos termos que veio a ter Nadia e a sua real "popularidade", coloca a questão de que, por mais remota que seja, "as atitudes na Inglaterra estarão a mudar, no sentido de uma maior tolerância e abertura de espirito, pelo menos por parte da juventude", e que a Nadia "produziu um rosto e uma personalidade real" às ideias estereotipadas que vulgarmente as pessoas têm dos transexuais, pondo a hipótese de neste caso, e nesta edição do Big Brother, estar a ser um barómetro cultural das sociedades modernas.

Como a ignorância é a mãe de todos os preconceitos, para além de ser uma coisa muito feia... neste caso ou a expressão de MFM foi um lapso de linguagem que lhe saiu infeliz, ou então MFM como ignorante que é em relação aos transexuais, não devia falar daquilo que não sabe, e se quiser sair um pouco da "sua Torre do Tombo", pode aprender um pouco sobre os transexuais, em particular em Portugal, que fazem por se assumir com dignidade, respeito e personalidade.

E se Nadia vai ser mais um pobre de espirito como o Zé Maria, isso só o tempo o dirá, mas para já Nadia é bem genuína e real.

Jó Bernardo
Trav. Do monte do Carmo, 1 1200-276 LISBOA
Tel: 21 324 03 46

Veja também:
Carta de António Serzedelo, em nome da Opus Gay, sobre o mesmo assunto.
Texto de opinião de Maria Filomena Mónica publicado no Jornal Público de 25 de Agosto de 2004.

 
© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas QUATRO e OITO.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal