OpusGay (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay

Associação Opus Gay  


OpusGay



Este documento não foi subscrito pelo PortugalGay
Conteúdo da exclusiva responsabilidade dos signatários.mais informações

Mensagem de António Serzedelo, presidente da OpusGay

26 Fevereiro 2004


Notas:

1-O PortugalGay.PT embora esteja envolvido na preparação da marcha de orgulho de 2004 não recebeu esta mensagem directamente da Opus Gay tendo a mesma sido lida no blog da vice Presidente, Anabela Rocha.

2-A mensagem que aqui apresentamos foi corrigida em termos de erros ortográficos (acentos) e de formatação, não sendo portanto exactamente igual ao artigo publicado.

3-Esta mensagem foi também publicada por António Serzedelo em 27 Fev 2004 às 19:16 no Blog Social Português com o título "Raizes de ódio". O subtítulo é o que apresentamos abaixo.

Porque não participo na reunião semiclandestina do dia 6 de Março

Companheir@s

Não tenciono ir à reunião do próximo dia 6 de Março, na residência particular do Miguel Vale de Almeida/Paulo Corte Real, cujo convite já agradeci pessoalmente, para decidir questões políticas e públicas, relativas ao Pride 2004, pelas razões que a seguir exponho, e que vos avanço atempadamente:

1-Nao considero pertinente que uma reunião desta importância política, se realize numa semi-clandestinidade periférica, em casa particular, no 30º ano das comemorações da Revolução de Abril, aparentemente, graças à intervenção de boa vontade de um militante socio-activista da ILGA Portugal, e afirmativamente militante partidário, que aliás, conheceu bem, e também permitiu todo o processo da crise forjada contra a Opus Gay, havendo disponíveis dois espaços públicos centrais onde ela se devia realizar: o "Centro Comunitario Gay e Lésbico de Lisboa", e a sede Opus Gay.

2-Considero desmoralizante que nenhuma associação ou grupo das que fazem parte dos colectivos lgbt portugueses tivesse tido a coragem de, em primeiro lugar, convocar a reunião, e seguidamente, proposto os locais possíveis. Concluo que estão portanto, sem forças morais pelo que (não) fizeram, ou sem iniciativa política.

3-Finalmente, tenho como dado objectivo, que desde que a Opus Gay foi fundada, e eu estou à frente dos seus destinos, para meu enorme espanto, fomos, e fui sistematicamente insultado(s), vilipendiado(s), maltratado(s), caluniado(s) e objecto de intrigas e complots, por modos e formas absolutamente inconcebíveis e vergonhosas de grande pendor homofobico, mas sempre incutidoras de ódio contra a Opus Gay, e contra mim. Os autores são pessoas glbt dos quadros associativos, sendo que a maior parte delas nunca me conheceu, nem conhece, nem falou comigo alguma vez, a despeito de ter solicitado inúmeras audiencias, nunca obtidas, para clarificar equívocos, e agiram a partir de informes dados por outros, que também não me conheciam, nem o meu curricullum. Por palpites!

4-Assim, apelidado desde "senil", "terrorista", "vendido", "criminoso", "oportunista", "ambicioso", "populista anti-democrático", "perigoso" ,"o que até hoje mais prejudicou em Portugal, os glbt", "infiltraçao do Le Pen", "pimba", "de extrema direita", "chulo", "com graves problemas na justiça", "sedento de aparecer nos mídia", etc, chegando a propor-se a "expulsao" do próprio movimento glbt, e até a irradiação dos endereços da Opus dos sites glbt, tudo lhes foi permitido chamar-me/nos, irresponsavelmente. Tudo foi dito, tentado, e publicado em listas/locais públicos/sites/blogues, ligados a lideranças desta causa, perante o silêncio acariciante de inúmeros responsaveis glbt, ou com o aplauso de muitos outros, que sempre desejaram o "esmagamento da Opus", por causas "naturais", ou artificiais, como um deles chegou a lamentar que nao tivesse acontecido.

5-Não tendo havido até à data, da parte de nenhuns dos intervenientes nestas campanhas, qualquer tentativa, mesmo a nível particular, de mostrar com um mínimo de sinceridade que houve um engano com essas atitudes (sem pretender humilhar ninguém), ou de uma possível autocrítica aos processos e tácticas utilizados, não estou disponivel para me encontrar, presumivelmente, com tais protogonistas, no referido local , pelo respeito que tenho de mim próprio, e que eles deviam ter de si mesmos, depois do que disseram e fizeram e pensam de mim. Julgo aliás, que esta proposta de reunião surge porque se aproximam etapas eleitorais importantes este ano (Junho 2004), e não foi possivel, afinal, isolar a Opus Gay, como se desejava.

6-Considerando os interesses, ditos do movimento glbt, (que por este caminho não irão a bom porto, nem são de forma nenhuma prestigiantes, nem nunca mobilizarão novos actores sociais), mas considerando que poderá estar em causa a organização da "Marcha do Dia do Orgulho de 2004", solicitei logo à Anabela, vice Presidente da Opus Gay, que tambem se voluntarizou, e a outro membro da Direcção, que nos representassem institucionalmente nesse encontro, do dia 6 de Março, sabendo de antemão que terão todo o meu acordo para as decisões que resolverem tomar.

Votos de trabalhos transparentes, e agradecendo a atenção,

A Luta continua!

sou
António Serzedelo

OpusGay

Comentários por visitantes do PortugalGay.PT a esta mensagem:

    Esta carta de António Serzedelo é inqualificável, e só o vosso espírito democrático pode justificar que a reproduzam (se bem que a democracia se baseie na verificação da verdade, pelo que exclui quem a não respeita...). Era absolutamente necessário que o país inteiro ficasse a saber que x e y vivem juntos, sem que sejam os próprios a controlar essa informação (e isto independentemente de serem hetero ou gays)? Ou que as associações reunem no sítio x ou y, já agora? Já para não falar no grau de paranóia, mania da perseguição, informações errada, falsas e/ou falsificadas, mal-criada e desastradamente reproduzidas na carta. Ficamos todos mal, como movimento associativo, aos olhos de quem leia isto. Embora eu espere que as pessoas ainda tenham a inteligência suficiente para perceberem que quem se afunda é o autor da missiva.

    Miguel Vale de Almeida (mvda@netcabo.pt) 27 Fev 2004 19:44

    Penso que nesta confusao toda, existem mal entendidos que poderao estar a ser tomados demasiado a serio. As pessoas normalmente tem tendencia para dramatizar as coisas. A comunicacao muitas vezes falha precisamente porque nao se consegue comunicar. Tanto o comunicante como o comunicado poderao envolver-se em lutas de cao e gato que em nao irao resultar em nada. Nao culpo ninguem com o meu comentario, mas se existe destabilizacao, entao a razao pela qual ela existe devera ser descoberta o quanto antes por ambas as partes. A unica forma de prevenir os danos de uma bola de neve e tentar derretela antes que ela se torne demasiado grande e cause estragos dificeis de reparar. A minha opiniao e que tanto um lado como o outro tem boas intencoes, mas se a intencao e a mesma, qual o motivo de haver quebras e de se instalar este clima em que organizacoes que lutam contra a homofobia e lutam a favor da igualdade, desunham-se uns aos outros? Existem muitas pessoas que precisam de voces e e em nome delas que eu peco que em vez de fazerem acusacoes horriveis uns aos outros, que descubrem a razao das vossas falhas.

    (por leitor identificado por email que pediu anonimato) 27 Fev 2004 22:38

    A leitura da mensagem de António Serzedelo e reacções leva-me a dizer isto:
    1-Algumas das palavras insultuosas que o autor refere vi-as publicadas no PG, pelo ex-presidente da ILGA Portugal, José Manuel Fernandes, e também no site do seu grupo. Terão havido outras?
    2-o autor não vai à reunião na tal casa particular(?), mas a associação diz que vai, com outras 2 pessoas. Faz diferença? A conversa não pode prosseguir com outros? Não avisou com tempo? Não se deve saber onde se reunem as associações? Porquê?
    3-"ficamos mal vistos como movimento associativo"? Talvez, mas na altura, alguém se distanciou do(s) mails(s), publicados? Evitava-se agora o incómodo... Ou, o incómodo é que não se devia saber isto? E a(s) pessoa(s) visada(s) não têm nenhum direito a sentir-se aborrecidas?
    4-diz-se na mensagem que eles "solicitaram inúmeras audiências", para saber "a razão das falhas", mas sem resposta. Porquê?
    5-Miguel Vale de Almeida propõe agastado que se "exclua" a personagem, questão que António Serzedelo refere no texto, "expulsão" do movimento. Volta-se ao mesmo?
    6-O PortugalGay.PT fez bem em dar-nos a conhecer isto. Logo:
    7-Como levar a cabo o que propõe o leitor não identificado?
    8-entre amigos pode haver informalidade, mas entre desconhecidos, tem de haver formalidade, particularmente em temas políticos melindrosos. "Descubram-se as razões das falhas". Ou não há falhas?

    gabrielamigo@sapo.pt 1 Mar 2004 11:55

    Pergunto eu : quem se afunda ou quem gostavam que se afundasse ?
    No essencial não desmentem nada do que vem na carta .
    Então não foi efectuada uma cerimónia para "informa" a sociedade que x e y vivem juntos ?
    Grande segredo......

    David (leitor identificado por email que pediu para não publicar endereço) 2 Mar 2004 21:52

 
© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas TRÊS e SETE.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal