Pesquisa:
Parceiro PortugalGay

Sexta-feira, 31 Maio 2019 22:05

MUNDO
Organização Mundial da Saúde remove "trans" da lista de transtornos mentais



A medida espera-se que tenha um efeito ‘libertador’ nas pessoas trans a nível mundial.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez história e removeu a disforia de género da lista de "transtornos mentais".

A OMS aprovou esta grande alteração no seu manual global de diagnósticos a 25 de maio.

No ano passado a OMS já tinha introduzido esta alteração no seu mais recente CID (Classificação Internacional de Doenças), o CID-11, vendo agora definitivamente confirmada a alteração numa votação realizada a 25 de maio.

Assim, a não conformidade de género e a transexualidade não são mais reconhecidas como transtornos mentais.

Grupos de defesa dos direitos humanos bem como grupos e organizações trans celebraram o momento depois de anos de campanha por esta alteração.

"A remoção pela OMS do 'transtorno de identidade de género' do seu manual de diagnóstico terá um efeito libertador sobre pessoas trans em todo o mundo", disse Graeme Reid, diretor de direitos LGBT da Human Rights Watch (HRW).

Os governos devem reformar rapidamente os sistemas médicos nacionais e as leis que exigem esse diagnóstico agora oficialmente desatualizado Graeme Reid, Human Rights Watch

A HRW apontou que os governos em todo o mundo usam a classificação anterior como base para políticas discriminatórias. Essas políticas exigem um diagnóstico e, às vezes, outros procedimentos médicos, como esterilização, antes que pessoas trans sejam reconhecidas perante a lei.

Os governos geralmente exigem um diagnóstico de "disforia de género" como pré-condição para a mudança de nomes de pessoas trans e marcadores de género em documentos oficiais. Os defensores argumentaram que os diagnósticos colocam em risco direitos básicos como trabalho, educação e viagens.

O Dr. Jack Drescher, um membro do grupo de trabalho da CID-11, escreveu: 'há evidências substanciais de que o estigma associado à intersecção do status de transgénero e transtornos mentais contribui para um status legal precário [e] violações de direitos humanos'.

O processo de reconhecimento legal da identidade de género deve ser separado de qualquer intervenção médica, argumentou a HRW.

As pessoas trans estão a lutar contra o estigma e a discriminação devidos em parte aos sistemas médicos que historicamente diagnosticaram expressões de não-conformidade de género como uma patologia mental
Mas é o estigma, a discriminação e o bullying - e não qualquer coisa inerente à não-conformidade de género - que podem infligir problemas de saúde mental às pessoas trans
 Jack Drescher, OMS

Mas na mesma assembleia, a OMS também conseguiu enfurecer a comunidade intersexual, por classificar características intersexuais como 'desordens do desenvolvimento sexual'.

Mais de 50 organizações intersexuais divulgaram uma carta conjunta condenando a OMS por esta posição e por promover procedimentos cirúrgicos a pessoas intersexo.

As organizações que assinaram a carta alertam que essa classificação "causará danos contínuos a pessoas nascidas com variações de características sexuais".

Muitos defensores consideram a cirurgia uma forma de tortura. Muitas vezes é feito sem consentimento e pode causar complicações psicológicas mais tarde na vida. A carta aponta para vários relatórios que demonstram os danos que podem ser causados a pessoas intersexo ao serem realizadas cirurgias, muitas vezes feitas por motivos cosméticos e não médicos. "Tais intervenções são baseadas em estereótipos de género", afirma a carta.

Quando realizados em indivíduos sem o seu consentimento informado, os defensores e instituições de direitos humanos, trans e intersexo consideraram estas intervenções práticas nocivas e violações dos direitos à integridade corporal, não discriminação, igualdade perante a lei, privacidade e liberdade em relação à tortura, tratamento e experimentação.

"Instamos a OMS a abrir um diálogo imediato, público e transparente com defensores e especialistas em intersexos, para trabalhar connosco a fim de desmantelar décadas de tortura e maus-tratos em ambientes médicos", disse Mauro Cabral Grinspan, diretor executivo da GATE.

As pessoas intersexo ao redor do mundo têm o direito não apenas de serem protegidas de patologização, mas também de ter pleno acesso à justiça reparadora e à cobertura universal de saúde Mauro Cabral Grinspan, GATE

.

MUNDO: Organização Mundial da Saúde remove "trans" da lista de transtornos mentais

Pode também ter interesse em:

 
© 1996-2020 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas UM e SETE.
Depois clique em OK.

© 1996-2020 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Queer Lisboa | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal