Pesquisa:
 

Segunda-feira, 29 Novembro 2010 16:22

EUA
Juiz do Tennessee concorda com lésbicas militares porque podem ser convertidas



Embora ache que a tropa pode "converter" as mulheres lésbicas em heterossexuais Joe Chattanooga Rehyansky é da opinião que os homens gays não devem servir nas fileiras.


Joe Rehyansky é magistrado a tempo parcial no condado de Hamilton, no Tennesse, e ex-membro do Gabinete do Procurador do Distrito Chattanooga.

Num artigo publicado no The Caller Daily, Rehyansky afirma que as militares lésbicas podem ser convertidas através da interação forçada com os homens heterossexuais.

Rehyansky argumenta que os homens são naturalmente mais promíscuos do que as mulheres e calhou "aos homens balançarem de árvore em árvore e percorrem as cavernas em busca de tantas mulheres quanto possível para subjugar e engravidar. - Uma tarefa difícil, mas alguém tinha que fazê-lo".

Por outro lado já a promiscuidade dos homens gays teria "um potencial para consequências desastrosas" se eles foram autorizados a servir abertamente nas Forças Armadas, afirmando que a infecção pelo HIV pode ser uma grande ameaça aos militares.

Mas Rehansky continua "porque razão os guerreiros predominantemente heterossexuais que responderam ao chamado da sua nação têm de se submeter à indignidade de tomarem banho com outros homens que conseguem gozo lascivo a partir da visão dos corpos esbeltos nus, e que podem ser tentados a buscar algo mais do que a vista?"

E conclui que a sua solução seria remover a população de homens homossexuais dos militares e "dando assim aos soldados do sexo masculino uma possibilidade justa de converterem as lésbicas e trazê-las para a comunidade em geral".

Pode também ter interesse em:

 
On-Line
Arquivo Notícias (2010)
© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?


Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas DOIS e OITO.
Depois clique em OK.

© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal