Pesquisa:
Parceiro PortugalGay

Domingo, 15 Novembro 2009 19:47

ESPANHA
Despedimento transfóbico



A 5 de Junho por volta das onze da manhã, María Jesús Lastra, de 49 anos, começou a trabalhar fazendo sandes numa cafetaria no Casco Viejo. Pelas duas da tarde, foi despedida por ser transexual.


"Expulsaram-me por ser transexual", afirmou. A sua história foi ouvida no tribunal Social Noº 1 de Vitória, pois esta mulher decidiu levar o caso "até ao fim".

Nada fazia pensar que o contrato de "seis meses" duraria apenas algumas horas. María Jesús entrou "às onze horas da manhã" de uma sexta-feira como ajudante de cozinha e "às duas da tarde" reuniu-se com seu chefe a quem, aparentemente, tinham chegado alguns rumores sobre a sua nova empregada. "Ligou-me e disse que tinha ouvido que eu era uma pessoa transexual e que não podia manter-me no local", afirmou na sua queixa perante a Inspección Provincial de Trabajo. Os motivos alegados que basearam a sua decisão suscitaram profunda indignação na mulher, que não acreditava que a despediam porque "os bêbados e os jovens poderiam meter-se comigo pela minha condição".

O dono do bar fê-la "assinar um papel e deu-me 40 euros". Para María Jesús, presidente da associação 'Soy como soy' de transexuais asturianos (nasceu em Gijón, Astúrias) não restava mais nenhuma dúvida: tinha sido "despedida sem justa causa por discriminação sexual por causa da minha condição". Assim, decidiu fazer a denúncia, na qual também solicitava uma conciliação com a empresa e um reconhecimento verbal e escrito dos factos, o que fez a 8 de Junho por "demissão injustificada e discriminação" à Inspección Provincial de Trabajo.

A reunião ocorrida a 22 de Junho não deu frutos, e o caso seguiu para os tribunais. A 5 de Novembro deu-se a primeira audição, enquanto membros do Ehgam Álava, grupo que reúne gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e transgéneros na província, faziam uma concentração ao meio-dia para mostrar o seu apoio.

Mas a luta de María Jesús começou há uma década. Em finais dos anos noventa conseguiu que a juíza que supervisionava os estabelecimentos prisionais das Astúrias ditasse que tinha o direito de se vestir como mulher numa prisão masculina, onde permaneceu por dois meses por roubar numa loja.

Pode também ter interesse em:

 
© 1996-2021 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas TRÊS e SETE.
Depois clique em OK.

© 1996-2021 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Queer Lisboa | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal