Pesquisa:
 

Domingo, 6 Maio 2012 19:43

ESPANHA
Mar Cambrolle Jurado abandona área transexual da FELGTB



Mar Cambrolle Jurado, conhecida activista trans do país vizinho apresentou a 3 de Maio último a sua demissão como coordenadora da área de transexualidade da FELGTB (Federación Estatal de Lesbianas, Gais, Transexuales y Bisexuales).


Em comunicado via Facebook, Mar agradece a todos que a apoiaram no último congresso da FELGTB, explicando que foi a convicção de poder trabalhar pela igualdade de direitos das pessoas transexuais, mas que sente que foi uma ilusão.

Refere que em multiplas situações tem sentido ser a transexualidade preterida a favor da orientação sexual em campanhas, edição de materiais, dias de luta, entre outros, referindo por exemplo a edição de um guia para o uso correcto de terminologia relacionada com a transexualidade, como uma ferramenta para a luta contra a transfobia, que nunca foi apresentado aos media, embora a FELGTB mantenha uma boa relação com a comunicação social.

Refere que como coordenadora, propôs um estudo psicossocial das pessoas transexuais em Espanha, conduzido por uma universidade, para avaliar critériosa e científicamente a "vulnerabilidade" e falta de direitos básicos de mulheres e homens transexuais. Este estudo foi realizado com um custo económico "simbólico", em comparação com a grande importância dos resultados. Apesar de ser importante a divulgação dos resultados, refere que os mesmos não são apresentados em Madrid, não tendo portanto o mesmo caminho que outros estudos.

Faz notar também que, à semelhança com Portugal, uma denúncia de um assassínio por transfobia não tem a mesma relevância que um outro assunto qualquer relacionado com homofobia.

Como exemplos destaca que para retirar de circulação um livro que pugnava pela cura da homossexualidade recolheram-se em 5 dias 30.000 assinaturas, enquanto que para exigir que se renomeasse a UTIG (Unidad de Trastorno e Identidad de Genero), solicitando que se retirasse o T de Transtorno em dois meses recolheram-se 500 assinaturas.

Refere também o caso da activista transexual mexicana Agnes Torres, psicóloga, torturada, degolada e queimada, que a sua denuncia recolheu 550 assinaturas.

“Lamentavelmente isto tem uma leitura: SOMOS UMA MINORIA, socialmente e dentro dos colectivos LGBT.”, considera.

Mar considera que as suas ilusões de um trabalho conjunto e no qual acreditava foram desfeitas por episódios como os descritos, resultando daí uma desmotivação que levou à sua demissão.

“Esta despedida como Coordenadora, não é uma despedida do activismo, continuo a acreditar que é possível mudar leis, costumes, direccionar sinergias para a construção de uma IGUALDADE REAL para TOD@S” afirma, desejando que as pessoas transexuais deixem de ser um colectivo vulnerável e uma minoria dentro dos colectivos LGBT,e afirmando a sua disponibilidade para a luta para que “a transexualidade seja entendida como mais uma variante da rica diversidade humana”.

Como nota registe-se que, sobre o caso de Agnes Torres e comparando-o com o de Daniel Zamudia, jovem homossexual espancado por um grupo de neonazis no Chile, o feedback nos media teve um resultado concordante com Mar Cambrolle, existindo cinco vezes mais notícias sobre este caso que sobre o de Agnes Torres. No Facebook, por exemplo, houve uma iniciativa (já tardia) de um comunicado a emitir-se por activistas sobre o caso de Daniel Zamudio, enquanto o de Agnes Torres foi completamente ignorado.

Pode também ter interesse em:

 
On-Line
Arquivo Notícias (2012)
© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?


Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas SEIS e OITO.
Depois clique em OK.

© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal