CINEMA: Diário Queer Lisboa - Can You Ever Forgive Me? (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
Parceiro PortugalGay

Domingo, 29 Setembro 2019 10:24

CINEMA
Diário Queer Lisboa - Can You Ever Forgive Me?



O último dia do Queer Lisboa 2019, reservou-me uma grande surpresa…


Não, não estou a referir-me aos prémios atribuídos, dos quais falarei amanhã num artigo de balanço do Festival, embora possa desde já adiantar que o vencedor do Festival foi o filme brasileiro “Sócrates”, cabendo a outro filme brasileiro “Greta”, uma menção honrosa, mas como disse isso será matéria para amanhã…

E também não me refiro ao filme de encerramento, que e na minha opinião fechou o Festival sem honra ou glória. O filme escolhido foi “Skate Kitchen”, da realizadora Crystal Moselle, um filme normalíssimo sem qualquer “mais” que o catapultasse para a honra de encerrar este festival.

É um filme passado entre um grupo de raparigas apaixonadas pelo skate em que uma delas depois de se zangar com a mãe começa a viver com amigas e acaba por se apaixonar por um rapaz de cor também ele amante do skate, paixão essa que lhe traz algum dissabor, mas tudo se passa numa atmosfera juvenil, tipicamente americana e sem dramas de maior – será aquilo a que eu chamaria um filme q.b….

E muito menos essa surpresa foi o documentário “Limites” do realizador venezuelano José Torrealba, que mostra “arrastadamente” a arte de um famoso fotógrafo de nus masculinos.

Não, a grande e boa surpresa foi um filme integrado na secção Panorama, intitulado “Can You Ever Forgive Me?”, realizado por Marielle Heller e que foi nomeado este ano para três Óscares…

Para começar, não consigo entender como é que este filme não teve exibição comercial no nosso país, com tanto filme medíocre a ser estreado em detrimento de filmes desta categoria.

É um filme passado em Nova York, naquela NY que Woody Allen tão bem caracterizou em vários filmes e personagens.

As duas personagens principais do filme, interpretadas de forma superlativa por Melissa McCarthy e Richard E.Grant, que lhes valeram nomeações para os Óscares, respectivamente de melhor actriz principal e melhor actor secundário, são personagens fabulosas, principalmente a da escritora Lee Israel, vivendo uma prolongada crise de inspiração, monetária e de acentuado alcoolismo, mas que ela vai tentando combater de uma forma subtilmente irónica e até por vezes de alguma comicidade.

À falta de inspiração restou-lhe uma opção não muito ortodoxa de ganhar dinheiro, falsificando cartas e recordações de gente célebre, que é um negócio muito rentável.

Reencontra um amigo que havia conhecido anos antes, também envelhecido e preocupado com esse facto e nasce uma amizade, que depois se torna numa partilha da fraude iniciada.

Ela lésbica, ele homossexual, mas ambos sós…

É um filme tão bonito, tão bem feito, tão acutilante no seu enredo (o terceiro Óscar para que foi nomeado foi o de melhor argumento adaptado), enredo esse que a escritora pôs em livro, pondo fim à sua crise de inspiração.

Não hesito em considerar este filme como um dos melhores apresentados neste Festival, e que justo teria sido ser este o filme escolhido para o encerramento, chamando com isso a atenção para a enorme lacuna da distribuidora que não o exibiu nas salas.

CINEMA: Diário Queer Lisboa - Can You Ever Forgive Me?

Pode também ter interesse em:

 
© 1996-2019 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas QUATRO e SEIS.
Depois clique em OK.

© 1996-2019 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal