Pesquisa:
 

Quarta-feira, 26 Outubro 2005 00:59

EUA
Rosa Parks - Activista afro-americana pelos direitos cívicos



Rosa Parks morreu segunda-feira aos 92 anos em Detroit, cidade do Michigan a um passo do Canadá, mas foi no Deep South, o "Sul profundo" dos Estados Unidos, que num dia de 1955 conquistou um lugar na história. Em Montgomery, capital do Alabama, os afro-americanos estavam obrigados por lei a ceder o seu assento nos autocarros a qualquer branco que o pedisse. Habituados a serem discriminados, os negros americanos aceitavam essas regras como naturais, mas Parks, então com 42 anos, achou que já era demais. E ousou dizer não. Foi de imediato presa. Uma prisão que acabou por libertar os negros de séculos de opressão.


Rosa Parks nasceu a 4 de Fevereiro de 1913 em Tuskegee. A cidade era então famosa pela sua universidade para negros, fundada por Booker T. Washington no século XIX, mas tal como no resto do Alabama a segregação racial era a regra. A jovem Rosa cresceu numa quinta e mais tarde começou a trabalhar como costureira. Era essa a sua profissão quando a 1 de Dezembro de 1955 se recusou a dar o seu lugar num autocarro de Montgomery a um branco. Já inscrita como militante na NAACP, a principal associação de afro-americanos, Parks recusou acatar as indicações para se levantar e acabou por ser presa, acusada de desrespeito pela ordem pública. Nesse mesmo dia, cinco dezenas de líderes negros americanos reuniram-se para decidirem como reagir à prisão da activista. Entre eles estava o reverendo Martin Luther King, da Georgia, que se iria destacar como o principal líder do movimento pelos direitos cívicos, uma vasta campanha de pressão popular e política que nos anos 50 e 60 conseguiria fazer revogar as leis segregacionistas.

A resposta dos líderes negros foi um boicote aos autocarros de Montgomery por parte da numerosa população negra. Ao mesmo tempo, contando com a simpatia de alguns políticos a nível nacional, incluindo o Presidente Dwight Eisenhower, a pressão para abolir as leis segregacionistas aumentou de tal forma que em 1956 o Supremo Tribunal declarou inconstitucional a discriminação racial nos autocarros. Foi a primeira vitória de Parks e dos afro-americanos.

A costureira do Alabama instalou-se nos anos 60 no Michigan, onde trabalhou duas décadas como conselheira de um congressista democrata. Vivia já em Detroit quando, sob a Presidência de Lyndon Johnson, em 1964, a Civil Rights Act pôs formalmente fim a todas as leis discriminatórias que tinham surgido no Deep South após a abolição da escravatura no século XIX.

De saúde há muito frágil, Parks morreu em casa. Há dez anos, sofreu um violento assalto, obra de um afro-americano. Há dúvidas sobre se este a reconheceu como a sendo a heroína de Montgomery.

Pode também ter interesse em:

 
On-Line
Arquivo Notícias (2005)
© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?


Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas DOIS e OITO.
Depois clique em OK.

© 1996-2024 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal