Pesquisa:
Parceiro PortugalGay

Quinta-feira, 8 Novembro 2007 12:04

MÚSICA
Trovador mostrou que é já uma estrela



Quem há pouco mais de uma semana viu, no mesmo Coliseu dos Recreios (Lisboa), o espantoso concerto "shamânico" de Patti Smith dificilmente suporia que, em dias, aquela noite seria superada. O feito deve-se a Rufus Wainwright que, acompanhado por uma excepcional banda de oito elementos, não só deu à cidade provas de que, de visita em visita, cresce como artista performativo, como, na ocasião em concreto, ali mostrou o que poderá vir a ser considerado como o concerto do ano.


Essencialmente centrado em Release The Stars (que se revela, afinal, um soberbo repertório para palco), com recorrentes visitas à sua própria memória (recordando, entre outros, temas como Danny Boy, Poses, Cigarettes and Chocolate Milk ou The Art Teacher), o concerto estava pensado com a estrutura de um espectáculo onde nada acontece por acaso.

As canções, magnificamente cantadas e tocadas, são o cerne da questão. Mas o seu encadeamento, construído em dois actos mais grand finale e, claro, o entertainer sobre o palco, mostram que há mais a fazer num espectáculo que seguir um alinhamento de canções.

Rufus dá carne ao osso que são as canções. Fala frequentemente entre o que vai cantando, ora para relatar o regresso ao Museu dos Coches, para contar como foi o instante em que pediu água, em português, essa tarde, num café, ou para reflectir sobre o que entende ser um sentido de harmonia no urbanismo de Lisboa (a tese é dele mesmo...). Cereja sobre o bolo, o tempero Broadway trouxe o melhor da experiência recente com a homenagem de Judy Garland. Interpretou George Gershwin, Noel Coward e, quase no final, Somewhere Over The Rainbow, confirmando o grande cantor que hoje é. A reforçar esta ideia, um velho tema folk, em gaélico, foi cantado sem microfone.

Com quase três horas de duração (e foram tão intensas, que ninguém deu pelo tempo a passar), o concerto teve ainda direito ao Parabéns a Você, com bolo, ao baterista, duas canções com a mãe, Kate McGarrigle, ao piano e, claro o grand finale. De ligas, brincos e tailleur, ora para mais um número à la Broadway (e banda transformada em bailarinos) e Gay Messiah, a fechar. A plateia, cheia, que se levantara em aplausos mais vezes (e escutara em assombroso silêncio as canções mais suaves), agradeceu em peso e acenou satisfeita.

No final, o trovador (como se auto-intitulou em entrevista publicada terça-feira no DN) juntou-se à banda e, juntos, partiram (literalmente, ainda na mesma noite) para a cidade seguinte...

(por Nuno Galopim)

Pode também ter interesse em:

 
© 1996-2022 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas TRÊS e OITO.
Depois clique em OK.

© 1996-2022 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Queer Lisboa | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal