Intervenção (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay

Associação Clube Safo  


Intervenção



Este documento não foi subscrito pelo PortugalGay
Conteúdo da exclusiva responsabilidade dos signatários.mais informações
Novembro 2003


Intervenção na Conferência Plenária LGBT do Fórum Social Europeu 2003: "A luta de lésbicas, gays trans e bis, reivindicar o direito às suas identidades: por uma outra globalização livre da ordem moral e do determinismo de género"

Filhos & Dildos: Subvertendo a Ordem Moral
Fabíola Neto Cardoso, Clube Safo, Portugal

Sinto-me muito feliz por estar aqui hoje, representando o ainda jovem e pequeno movimento LGBT português. É significativo que neste grande evento em que nos encontramos, o segundo Fórum Social Europeu, um dos grandes eixos de acção/discussão seja "Contra o neoliberalismo, o patriarcado, por uma Europa dos direitos, social e democrática". Isto significa que entendemos que, para um novo mundo, para outra globalização teremos de construir uma nova ordem moral e de género e que lésbicas, gays bis e trans têm uma importante palavra a dizer sobre o assunto.

Esta é a verdadeira razão pela qual a homofobia está tão profundamente enraizada na sociedade actual: um dos seus pilares é o heterossexismo e outro é o rígido e binário sistema de género. Destruir estes pilares permitir-nos-á abanar todo o sistema neoliberal e aproximarmo-nos de uma sociedade mais livre para tod@s e não só para as pessoas LGBT.

O heterossexismo é um mito, uma história sagrada, uma construção, um sistema político; uma mentira. É fruto de condições sociais, um erro histórico que condiciona a vida de milhões de seres humanos castrando a livre expressão das suas emoções e afectos. Mas este mito desempenha bem as funções sociais do mito: explica o mundo do desejo e do amor e, principalmente, ele garante a estabilidade das coisas__ o heterossexismo justifica uma ordem moral intocável__ intocável porque não é questionada, não é avaliada; é aceite como um mito, uma óbvia natural e universal verdade. E esta ordem moral heterossexista sustem o edifício económico e político que questionamos.

Mas a realidade é plural e nós, LGBT e outr@s rebeldes sexuais, existimos e estamos a subverter seriamente esta ordem moral institucionalizada pelos nossos modos de vida, pelo nosso discurso e pelas nossas práticas sexuais. Poderia falar de dezenas de situações diferentes respeitantes às identidades LGBT, às diferenças entre os LGBT ou às lutas LGBT, mas falarei apenas de duas coisas: dildos e filhos e de como estes dois assuntos subvertem a ordem moral heteropatriarcal vigente.

Um dildo é um brinquedo sexual, um sexo de plástico (ou apenas uma cenoura!), um objecto feito para o prazer sexual que pode ser usado por uma mulher ou um homem, num cinto ou sem ele, que pode parecer-se a um pénis, a um pequeno verme ou a qualquer outra coisa.

O que é uma mulher com um dildo? Um homem? Meio homem? Uma mulher a tentar fazer sexo como um homem? E se o dildo não se parecer com um pénis? Se for azul e com forma de golfinho? Ainda é uma imitação do pénis? E se o dildo for colocado no braço e não na região genital? Que ocorre quando se usam vários dildos diferentes?

Quando duas lésbicas partilham um dildo entre si a situação é diferente de quando um casal heterossexual o faz? Elas ainda são verdadeiras lésbicas? E se só uma das duas mulheres usar o dildo? Ela está a ser heterossexual? Ela é transexual ou transgender? E a outra mulher, é mais mulher? Sexo com um dildo ainda é sexo lésbico? E com dois?

E se uma mulher usar o dildo num homem? Ela está a ser gay? Ele está a ser gay? E se um homem gay usar um dildo, ele é um duplo-homem? E se ele for hetero? Quantos pénis tem um homem com um dildo? E uma mulher que usa dois dildos? Qual é o sexo de um corpo com um dildo?

Poderia usar as minhas próprias palavras mas a escritora lésbica Beatriz Preciado já o fez, no seu livro Manifesto Contra-Sexual (1). "O dildo converte o foder num acto paradoxal ao não ser passível a sua assinação à tradicional oposição entre homem/activo e mulher/passivo. Confrontado com este pequeno objecto todo o sistema heterossexual dos papéis de género perde o sentido. Mais, as ideias e as emoções sobre prazer sexual e orgasmo, tanto hetero como homossexuais, tonam-se ultrapassadas se considerarmos o dildo. É uma verdadeira ruptura epistemológica" (2).

O tema da homoparentalidade é outros daqueles que fazem tremer a ordem moral heteropatriarcal instituída. Nós; lésbicas, gays, bis e trans; não temos filhos. Nós não participamos no jogo da complementaridade-reprodutiva homem/mulher pelo que não é suposto que nos reproduzamos. Ou se temos crianças, elas serão herdadas de relações prévias "normais" pelo que as crianças pertencem a uma família "quase-normal".

Mas a realidade está a mudar e rapidamente. As pessoas LGBT estão a lutar, não só pelo direito de adoptar crianças, mas também pela possibilidade de terem as suas próprias crianças biológicas e já o estão a fazer neste preciso momento por toda a Europa.

Quando um casal lésbico decide ter uma criança as questões são óbvias: Quem será o pai? Não há nenhum pai. Mas não achas que a criança tem direito a um pai? Como é que o fizeram? Que dirão à criança? Há aqui um grande erro: todas as questões estão erradas pois partem de um ponto de vista heterossexista, patriarcal e sexista.

Não há nenhum pai, essa criança crescerá e viverá sem um pai. E é tudo. Ele ou ela terá duas mães e nenhum pai. E depois? A verdade é que não haverá uma figura parental no sentido tradicional da expressão. Quem tem a legitimidade para dizer que uma criança necessita de um pai e uma mãe, de um homem e uma mulher para crescer saudavelmente? Se estamos a tentar ultrapassar este estúpido e arcaico sistema de rígidos papéis de género como podemos defender que ele é necessário para as nossas crianças?

Aceitamos que não temos de ser muito sensíveis, calmas e charmosas só porque nascemos mulheres... mas os nossos pequenos precisam de aprender o que é esperado de uma mulher e de um homem tendo uma mãe e um pai... Defendemos a possibilidade de cada pessoa ser mais do que o papel de género que lhe é atribuído socialmente... mas as crianças precisam de um pai para aprender o que é ser homem... Não percebo! (3)

As crianças precisam de quem as ame, de quem olhe por elas, de quem as ajude a ser tudo aquilo que possam e queiram ser. Não há nada especialmente diferente em ter duas mulheres, dois homens ou uma mulher e um homem a cuidar de uma criança. As diferenças existem mas nenhum dos casos é melhor ou pior. Crer que sim é colocar-se numa perspectiva sexista e existencialista.

Espero que estas duas breves abordagens tenham tornado claro que, se realmente queremos questionar as relações entre as pessoas, temos de ser capazes de questionar e re-inventar o sexo, o amor, o cuidar, as relações familiares e o prazer. Só através deste processo construiremos a nova ordem moral (ou desordem!) necessária para uma nova estrutura social, política e económica.

Só assim outro mundo será possível, para tod@s!

(1)Manifiesto contra-sexual, Beatriz Preciado, Editorial Opera Prima
(2)Tradução muito livre. Mas fica o desafio, a obra merecia ser traduzida para português.
(3)Tudo o que acabei de dizer aplica-se de igual modo a gays, bis e trans.

www.clubesafo.com
redelilas.web.pt

 
© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas UM e DOIS.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal