Cardeal Saraiva Martins (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay


Cardeal Saraiva Martins



Quinta, 7 de Julho de 2005
Jornal Correio da Manhã | Portugal

Nem 2 pais, nem 2 mães

por Manuela Guerreiro

‘Honoris causa’ - D. Saraiva Martins doutorado pela Lusíada

O Cardeal português na Santa Sé D. José Saraiva Martins disse ontem que o matrimónio entre o homem e a mulher constitui uma célula essencial para o futuro da União Europeia. Numa crítica bastante clara à homossexualidade o Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos no Vaticano citou o Papa Bento XVI referindo que “a Europa já não seria Europa se esta célula fundamental do seu edifício social desaparecesse ou fosse essencialmente mudada”.

D. Saraiva Martins, que falava na Universidade Lusíada onde lhe foi atribuído o doutoramento ‘honoris causa’ defendeu de tal forma a família tradicional que foi ao ponto de falar nas crianças que são adoptadas por casais homossexuais: “Uma criança precisa de um pai e de uma mãe e não de dois pais e de duas mães”.

O cardeal centrou a sua intervenção em críticas ao texto da Constituição Europeia por este não fazer referência às origens cristãs da União Europeia.

“É escandaloso. Se não fosse o Cristianismo, a Europa não existiria. Foi ela que uniu os povos. É como se estivéssemos a negar as nossas origens”, disse sugerindo a revisão do texto e levantando dúvidas sobre os resultados dos referendos já realizados em França e na Holanda. “Não excluo que o ‘não’ da França e da Holanda tenha nascido no facto do preâmbulo não fazer alusão às origens cristãs” da União Europeia, disse. Fez ainda questão de sublinhar que “o processo de reunificação não quer dizer o fim das nações”.

No final da cerimónia, o cardeal referiu-se ao processo de Beatificação de João Paulo II, iniciado a 28 de Junho, salientando que está numa fase de recolha de documentos relativos à vida, à santidade e à atitude heróica de João Paulo II. Sobre a canonização dos Pastorinhos frisou que o milagre que é atribuído aos beatos será analisado em Setembro.

De fora ficaram as respostas a duas questões. Para quando a visita de Bento XVI a Portugal e a reforma da Cúria? “O melhor é perguntarem- -lhe a ele”, disse o cardeal que regressa hoje a Roma.



Quinta, 7 de Julho de 2005
Jornal Público | Edição Impressa | Sociedade

Cardeal português diz que adopção por homossexuais é "horrível"

por António Marujo

Saraiva Martins critica também o "escândalo" do desemprego e defesa das raízes cristãs da Europa

O cardeal português José Saraiva Martins, prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, do Vaticano, disse ontem em Lisboa que é "horrível" as crianças adoptadas por casais homossexuais não terem "um pai e uma mãe" - um homem e uma mulher.

D. José Saraiva Martins falava aos jornalistas no final da cerimónia de doutoramento honoris causa que a Universidade Lusíada lhe atribuiu. Instado a comentar as recentes leis espanholas que permitem o casamento de homossexuais, o cardeal disse que é uma questão de "bom senso" e de uma "sã antropologia" que as crianças possam viver com casais compostos por um homem e uma mulher, embora afirmando que se devem "respeitar" as pessoas e as suas opções. Durante a lição que apresentou, sobre o tema A Europa do futuro no pensamento de João Paulo II - o decálogo da nova Europa, o cardeal criticou ainda a ausência da referência às raízes cristãs do continente no preâmbulo do tratado constitucional europeu. Nesse contexto, afirmou que "é um escândalo que na Europa haja 20 milhões de desempregados".

Admitindo que a Europa enfrenta problemas como a imigração ilegal, a criminalidade organizada e a segurança, o cardeal disse que isso não pode fazer esquecer os valores que presidiram à construção da actual União Europeia (UE). E foi nessa perspectiva que apresentou o "decálogo da nova Europa", um conjunto de dez princípios fundamentais. Não sem referir que a recusa de franceses e holandeses ao tratado constitucional foi ao documento em si e não à UE.

Entre eles estão a ideia de que o processo de unificação "não quer dizer o fim das nações" e que a UE não deve ser apenas "uma longínqua e fria estrutura burocrática ou simplesmente administrativa". A União deve procurar a unidade respirando "com dois pulmões: o ocidental e o oriental". Outros dois princípios deste decálogo dizem respeito às raízes judaico-cristãs do continente, mas cujo reconhecimento não mina "o princípio da laicidade da União", nem significa "a exclusão de outras religiões e, portanto, do Islão". Reconhecer o cristianismo como um fundamento da cultura europeia "não comporta uma procura de privilégios, em nenhum campo da sociedade", mas regista apenas "a realidade histórica do continente".

Sobre as raízes judaico-cristãs da Europa, o cardeal citou nomes da cultura e das artes para afirmar que, sem o cristianismo, nenhum deles teria feito a obra que fez. Dante, Petrarca, Camões, Goethe ou Dostoievski, Giotto, Rafael ou Miguel Ângelo, Vivaldi, Bach, Beethoven ou Verdi, ou ainda Agostinho, "pai do espírito existencial moderno", Tomás de Aquino, Erasmo, Pascal provam que o cristianismo é a "língua materna da Europa e da sua civilização", como definiram Goethe e Kant, disse o cardeal.

Saraiva Martins falou ainda da "primazia da pessoa" e da "sacralidade da vida humana em todas as fases da sua existência" é o primeiro dos enunciados. Os direitos humanos fundamentais estão ameaçados por clonagem, manipulação genética, "tráfico de pessoas, novas formas de escravatura" ou pelo "negócio" de órgãos humanos. A liberdade - "fruto da longa história cristã" - deve ser o "rosto" da UE. Solidariedade e subsidiariedade, a guerra como "derrota da razão e da humanidade" mesmo que seja para responder ao terrorismo, e o contributo dos jovens foram outros princípios enunciados para este decálogo.

Declarar João Paulo II como "mártir" - e com isso abreviar o processo que há dias foi aberto conducente à sua beatificação - será "difícil", diz o cardeal José Saraiva Martins. Corrigindo afirmações que lhe foram atribuídas na sexta-feira passada, o prefeito da Congregação para a Causa dos Santos afirma que o martírio se verifica quando alguém, conscientemente, "dá a vida" pela fé. Ora, apesar de João Paulo II ter sido vítima de um atentado na Praça de São Pedro, em 1981, isso aconteceu sem que o então Papa se tenha "dado conta". Por isso, dificilmente pode ser declarado mártir. O cardeal manifestou apenas o seu desejo pessoal de que o processo seja "o mais rápido possível", mas recusou adiantar quanto tempo pode demorar.

ver também:
PortugalGay.PT: Honoris Causa Horribilis
Blog je_bois: O coming-out dos filhos que não existem
Associação não te prives: As palavras do cardeal
 
© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas UM e SETE.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal