Comunicado OpusGay (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay

Associação Opus Gay  


Comunicado OpusGay



Este documento não foi subscrito pelo PortugalGay
Conteúdo da exclusiva responsabilidade dos signatários.mais informações

De Aberração em Aberração, até à Solução Final

30 Agosto 2004


Carta enviada pela Opus Gay ao Jornal "Público" motivada pelo artigo da historiadora Maria Filomena Mónica, "Zé Maria, Nádia, E o Big Brother", do dia 25 agosto, em que chama à transsexual Nadia, recente vencedora do Big Brother em Inglaterra, "aberração da natureza".

Esta resposta/protesto da Opus Gay foi publicada parcialmente, em 28 de Agosto na secção "Correio dos Leitores" do mesmo jornal.

Apresentamos aqui a a versao completa:

De Aberração em Aberração, até à Solução Final

Maria Filomena Mónica, MFM, é uma historiadora, cujos textos geralmente aprecio, ou que, pelo menos, me fazem pensar. O seu último artigo para o "Público", um jornal de referência, "Zé Maria, Nádia, e o Big Brother" que quase podia subscrever integralmente, até porque, sem ser snob, também sou daqueles que pouquissima televisão vê, causou-me um espanto, e uma perplexidade que não posso calar.

Não posso calar quando chama a um ser humano, publicamente, de forma acintosa, insultuosa e degradante, uma "aberraçao da natureza". Não posso calar em nome da Declaração Universal dos Direitos do Homem, da Constituição Portuguesa, das mútiplas Directivas e campanhas Comunitárias, contra a exclusão social, trans incluídos, das regras básicas de humanismo, do Livro de Estilo do próprio jornal, em nome das ideias de que me reivindico, e até do ideal Cristão. Habituei-me a que se chamassem "aberrações da natureza" aos vitelos de duas cabeças, os borregos de seis patas, uma couve de 20 quilos, dos lados do Entroncamento.

A seres humanos, em pleno século XXI, em Portugal, não esperava ver esse epíteto aplicado, sobretudo, por alguém com responsabilidades sociais, qualquer que fosse a razão, e, ainda menos, só por ter vencido um concurso pateta de televisão, num confronto público transparente, num pais estrangeiro. Porém não posso deixar de lhe recordar, dolorosamente, que foi em nome dessa "aberrância" que muitos homossexuais foram condenados à morte pela fogueira, depois a campos de concentração nazis, em alguns países ainda são decapitados, e no caso da transsexualidade, no passado dia 17 de Agosto morreu na Argentina, a transsexual Lorena Calixto, sem tratamento hospitalar, e há quatro dias, tive de enviar um e-mail de protesto para o Governo Argentino, porque tem presas sem culpa formada, desde 10 de Junho, Diana e Johana Sacayan, por liderarem o movimento transsexual do seu país. O seu texto insulta todos @s transsexuais, que assim nasceram, em Portugal e em toda a parte, que não o são por gosto, ou por opção, dado o enorme sofrimento porque passam, porém, sobre isso quem lhe deve dar melhor dar testemunho, pois eu não sou transsexual, embora me sinta tão ofendido com o seu texto, como se o fosse, é a associação "@t" d@s transsexuais portugues@s.

O seu texto, apela à exclusão, incita ao ódio e ao desprezo social. O seu texto aberrante, alimenta estas discriminações, e de aberrância em aberrância, chegamos à discriminação total! Por isso, venho defendendo que Portugal precisa de uma lei contra o ódio homofóbico, e contra o sexismo, como a conservadora França, já está em vias de produzir, para impedir casos destes.

Mas M.F.M nao está só. Há pouco tempo foi a vez de outra "individualidade", apelando-se da psicologia, de seu nome célebre, Villas Boas, vir também dizer que uma lésbica, não é uma mulher na verdadeira acepção do termo. Mais uma aberrância!

Outros ilustres académicos de formação marxista ou dita de esquerda ignoram a nova realidade que os circunda, talvez ainda formados no espírito estalinista, e com eles muitos intelectuais, que analisam a sociedade por grelhas pré-formatadas, tem sérias dificuldades em lidar com estas questões da diferença, da diversidade, que são a nossa riqueza, dos Direitos Humanos reivindicados pelas minorias sexuais, e que são afinal, uma luta cívica que importa a todos, heteros ou homos, como a luta das mulheres, importa tanto às mulheres como aos homens, ou luta anti-racista, aos brancos e negros.

A Revolução social e política levada a cabo entre nós a partir de Abril 1974, que iniciou a chamada 3ª vaga de revoluções, e que leva à nossa entrada na Comunidade Europeia, a muitas importantes conquistas sociais (algumas em vias de se perderem), mal deixou espaço para a sexualidade, mas a maioria dos intelectuais e académicos portugueses, agarrados a uma visão estática e reaccionária da sociedade, nem uma palavra tem querido gastar com estas questões, muito menos sobre os novos direitos sexuais, que essa terceira vaga de revoluções democráticas veio dar à luz, e que em outros países, começou a dar frutos, como é o caso Espanhol.

Helás! Entre nós, os intelectuais homens continuam à procura de uma "mulher" que já não existe, e as mulheres intelectuais de um "Homem" que está para nascer.

António Serzedelo
Opus Gay

Mais informações sobre a Opus Gay em:
http://www.opusgay.org/

Veja também:
Carta de Jó Bernardo sobre o mesmo assunto.
Texto de opinião de Maria Filomena Mónica publicado no Jornal Público de 25 de Agosto de 2004.

 
© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas UM e QUATRO.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal