Carta Aberta - Respostas (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay

  


Carta Aberta - Respostas



Este documento não foi subscrito pelo PortugalGay
Conteúdo da exclusiva responsabilidade dos signatários.mais informações

Partido Comunista Português 13 Mar 2002 (por email)

Lisboa, 13 de Março de 2002

Informamos que as questões colocadas na Vossa carta, com natural destaque para a necessidade de regulamentar a Lei das Uniões de Facto, serão atentamente estudadas e ponderadas pelo Grupo Parlamentar do PCP na próxima legislatura.

Recordamos ainda que, em anterior revisão constitucional, o PCP apoiou e votou formalmente a inclusão no artº 13 da Constituição da República Portuguesa, de a orientação sexual entre os elementos da não-discriminação, o que foi impedido por outros partidos.

Com os melhores cumprimentos,

O Gabinete Técnico

Do Secretariado do C.C. do
Partido Comunista Português

Bloco de Esquerda 12 Mar 2002 (por email)

Encarregou-me o cabeça de lista do Bloco de Esquerda por Lisboa, Francisco Louçã, de vos transmitir as seguintes posições assumidas por este movimento sobre a questão LGBT:

A Lei das Uniões de Facto foi aprovada na sua última versão por agendamento do Bloco de Esquerda e, em grande parte, por sua pressão, e deveria ter sido regulamentada pelo governo no prazo legal de 90 dias úteis, como oportunamente denunciou o movimento LGBT esta semana. Não o tendo sido, naturalmente, muitos são os obstáculos formais e práticos à aplicação da Lei e ao acesso aos benefícios previstos por parte dos casais, particularmente os do mesmo sexo. Não existindo uma regulamentação do conselho de ministros, as várias áreas com que a Lei implica exigem agora regulamentações parcelares dispersas ou uma iniciativa parlamentar, que o Bloco de Esquerda, sem querer substituir-se à pressão que só o vosso movimento social pode exercer e tem exercido sobre o Estado e os governantes, encarará na próxima legislatura, mesmo consciente de que, só por si, a regulamentação não agrantirá a aplicação da Lei.

Por outro lado, o BE não considera que a Lei de Uniões de Facto esgote - antes pelo contrário - as discriminações legais e práticas existentes contra estas camadas da população em Portugal, pelo que subscreve inteiramente as propostas reivindicadas na Carta Aberta que nos foi endereçada, nomeadamente a necessidade de uma prevenção legal da homofobia, seja através de uma Lei específica ou de uma alteração constitucional, ou a de aplicar de forma determinada e mobilizadora de mudanças de mentalidades a actual Lei de Educação Sexual.

Lutar por legislação nesse sentido é o compromisso do Bloco de Esquerda, que defende, desde a sua fundação, a extinção de todas as distinções legais e práticas entre homo e heterossexuais, ou seja, a construção de uma sociedade mais livre, na qual os direitos reconhecidos a uns e outros sejam cem por cento iguais, e a orientação sexual ou a identidade de género não determinem a perca de direitos sociais.

Com os melhores cumprimentos,
pelo Bloco de Esquerda,

Jorge Costa

 
© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas UM e DOIS.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal