ARGENTINA: Discurso de promulgação da Lei da Igualdade no Casamento (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
Parceiro PortugalGay

Quinta-feira, 22 Julho 2010 14:33

ARGENTINA
Discurso de promulgação da Lei da Igualdade no Casamento



Pela Presidente Cristina Fernández, no dia 21 de Julho.


Muito obrigado, muito boa tarde a todos, tem o Sr. Presidente do Senado, governadores e do governador, avós, mães, senhoras e senhores, os juízes e magistrados, professores universitários, pesquisadores, deputados nacionais e deputados, senadores e senadores; organizações da sociedade civil, representantes de organizações internacionais, personalidades culturais, artistas que tanto fizeram por este momento, os netos também os vejo sentados por aí, Horacito, é impossível não te ver também Horacito, já que és muito alto: Eu não sei como se setiria ela - e quando digo que ela digo Eva Peron - quando testemunhou a promulgação dos direitos políticos das mulheres, há 58 anos não podiam votar e aqui estamos, basta olhar para onde estamos neste momento.

Eu acho que é um momento muito especial para todos, estas distinções que acabei de receber, eu diria que não são para mim, recebi-as em nome dos milhares e milhares de militantes desta causa, as organizações, artistas, académicos, juízes, acho que as recebi em nome de toda a sociedade argentina, mesmo em nome daqueles que discordam. Eu sempre digo que este debate que aconteceu agora, dentro de poucos anos será visto como completamente anacrónico.

No outro dia eu estava a pensar no que foi a aprovação da Lei do Divórcio. Incrível. Disse, numa entrevista que me tinham feito, que alguns daqueles que tinham votado naquela época, hoje certamente não estariam de acordo com o seu voto negativo. E o fato é que depois dessa entrevista, pedi a lista dos deputados que votaram na altura - tanto na afirmativamente, quer negativamente, e encontrei um senador ? e a verdade é que eu não reconheci muitos dos que votaram negativamente - poucos anos depois se divorciou. E não só isso, mas vejam como as coisas mudam. Agora ele concorda com esta lei. A vida vai-nos mudando, a realidade vai mudando, vai assumindo.

E também sempre digo que isso nada tem a ver com crenças religiosas, porque procurando entre os que votaram sim, eu também encontrei um deputado, que é reconhecido pela prática constante na fé católica, ao ponto que ele foi casado com a mesma mulher até ela morreu e foi a mãe dos seus dez filhos, alguém coerente mesmo a sério, até às últimas consequências e, ainda assim, ele votou de forma afirmativa. Por isso digo que para mim são questões que têm a ver com a condição humana, são coisas que têm a ver com a busca da igualdade que toda sociedade deve ter, são coisas que não nos podem dividir, são coisas , pelo contrário, que nos devem unir. Hoje somos uma sociedade um pouco mais igualitária do que na semana passada.

Quando soube da votação, eu estava na China, como sabem, e eram aqui quatro da manhã, e lá três da tarde. Eu estava em plena sessão da Câmara de Comércio em Xangai, e passaram-se a votação. E eu disse, no dia seguinte, quando me levantei - creio que o mencionei hoje também, a um jornalista - para mim no dia seguinte a uma aprovação tão importante de uma lei eu tinha acordado exatamente com os mesmos direitos que tinha antes da aprovação, o que é raro, porque cada vez que se aprova alguma coisa importante alguém acaba sempre com um pouco menos, pelo menos esta é a história da Argentina e do mundo. E, no entanto, eu tinha exactamente os mesmos direitos e havia centenas de milhares de pessoas que tinham ganho os mesmos direitos que eu tinha. Ninguém me tirou nada, e eu não tirei nada a ninguém, pelo contrário demos a outras coisas que lhes faltavam e que nós tínhamos.

Por isso digo que somos uma sociedade um pouco mais igual, faltam-lhe ainda muitas coisas? que todas as pessoas possam ter um emprego, bom emprego, direito à segurança, saúde, habitação, educação, tudo, mas eu acho que demos, e construímos um marco importante no caminho para a igualdade. E também estou muito feliz por fazê-lo neste lugar, na Galería de los Patriotas Latinoamericanos. Na verdade, tinha pensado em fazê-lo na Salón de los Científicos Argentinos. Sabem que nós inauguramos um lugar nesta Casa Rosada, onde estão os nossos homens e mulheres da ciência, os nossos três ganhadores do Prémio Nobel, somos o único país latino-americano que tem três Nobel de ciências exactas relacionadas à biologia, nada mais nada menos. Pareceu-me ser um lugar adequado, porque era como um alívio depois das muitas coisas disseram e eu ouvi nos depoimentos, supostamente científicos, o que eles queriam realmente? Não sei se Bernardo A. Houssay, César Milstein e Federico Leloir entre outros, que estão nessa galeria, se voltassem e tivessem ouvido essas coisas creio que voltariam a morrer. Também pensei no Salón de las Mujeres, porque as mulheres também trazem em projectos às Câmaras. Está por aqui Vilma Ibarra? Eu não sei se terá vindo a ex-deputada Silvia Augsburger do Partido Socialista... Cumprimentamos-vos a todas, e a todos os homens e mulheres do meu espaço político que também contribuíram fortemente para esta construção. Porque na realidade não promulgamos uma lei, promulgamos uma construção social e como boa construção social que é, é transversal, é diversa, é plural, é ampla e não pertence a ninguém excepto a quem a construiu: a sociedade.

Quero agradecer os esforços de todos e como dar a volta a esta política mesquinha de que se um outro projeto é de outros então não o tratamos, ou talvez menosprezar o que é importante. Acredito que a construção da qualidade institucional é o que estamos fazendo hoje, que é o que fizeram quando discutiram tudo alias com a atitude, nós discutimos que estávamos de acordo em dar mais igualdade e acho que é a atitude a ser tomada em todos os debates e todas as características, na Argentina, com respeito, aceitando aqueles que pensam de forma diferente, não os estigmatizado, apenas porque pensam diferente e prontos depois democraticamente tudo se resolve, como convém a este estágio civilizacional institucional em que estamos na Argentina.

E nada mais, só para agradecer a todos vocês. Talvez pudéssemos ter feito isto antes, eu digo que tudo tem o seu tempo de amadurecimento, à coisas que amadurecem. De repente, se isto tivesse sido levantado há anos atrás teria sido impossível, seria frustrado e sem dúvida que quando as coisas fluem naturalmente, e há um contexto de uma sociedade que quer crescer - é também o ano do Bicentenário, tiveram consciência disso? - o que é uma feliz coincidência, eu não acredito em coincidências, mas há um espírito do Bicentenário, de uma sociedade aberta, uma sociedade pluralista, uma sociedade diversa em que vivemos há um pouco mais de 60 dias nas ruas, quando milhões de argentinos se manifestaram de todas as classes sociais, de todos os lugares e religiões, para comemorar 200 anos de história, nós olhamos para todos e percebemos que o que eles estavam dizendo e falando sobre nós mesmos não era verdade, que éramos outra coisa, nós somos o que somos hoje aqui, e os que cá não estão... paciência, vão ver que no futuro cá estarão. Esperamo-los a todos.

Muito obrigado e parabéns a todos, muito obrigado.

Pode também ter interesse em:

 
© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas DOIS e SEIS.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal