Entrevista: Celso Júnior - 7º Festival GL (PortugalGay.pt)
Pesquisa:
 
Parceiro PortugalGay
Aberto
Entrevistas

Celso Júnior - 7º Festival GL

Os não-GLBT e o Festival

PG O Festival Gay e Lésbico de Lisboa é só para os gays e lésbicas ou para toda a gente?

Sempre para toda a gente. E mais: é um festival que tem que estar reservado para qualquer das identidades LGBT e, sobre tudo, para a comunidade em geral. Por exemplo: agora que todo mundo fala em diversidade, até pessoas que achavam que a luta LGBT era uma luta pelo ghetto, já acham que a "diversidade" é uma solução. Eu continuo dizendo que a diversidade tem que estar no evento em si e não no nome.
O que faz a diferença do nosso festival para os outros congéneres é a abertura do nosso festival para a sociedade em geral.

PG O festival arrancou esta sexta-feira, dia 12. Tinhas a assistência que querias? Foi uma abertura como esperavas?

As pessoas que eu queria nem consegui ver se estavam lá ou não. Eu entrei num processo de fadiga em que não me lembrava do nome de pessoas fundamentais. Eu não consigo lembrar do que falei ou do que não falei. Eu sei que tinha o vice-presidente do ICAM, que são pessoas que eu conheço e eu nem me lembrava do nome do José Pedro e da Teresa, coisa horrível! Eu não tive tempo de falar com o director do Instituto Cervantes, porque tinha que tomar conta de pormenores pequenos, porque eu não tinha voluntários, e mesmo que houvesse voluntários...
O grande problema dos voluntários, mesmo esses que são conseguidos à última hora, é que eles pensam que como o festival começa ás oito da noite ou ás nove eles começam a trabalhar por volta dessa hora. Não passa pela cabeça de todos que o trabalho, o falar, a preparação é muito mais complexa.
Na sua pergunta de se eu estou satisfeito com a abertura: não, nem um pouco. Além de estar cansadíssimo, achar injusto o estado físico em que eu estava, indecente o facto de não poder "curtir" mesmo nada, tínhamos umas 450 pessoas... num Fórum Lisboa com capacidade para 700 pessoas. Aqueles lugares vazios você nota, este ano o melhor prémio que eu gostaria de ter por todo este trabalho era a casa cheia. No entanto eu saio com a sensação da tarefa compridíssima, e agora é o momento da comunidade agir. E aqui não é a comunidade LGBT mas a própria cidade de Lisboa: puseram lá [na CML] quem puseram agora tentem conseguir a coisa. Façam abaixo assinados, tomem iniciativas, façam qualquer coisa, eu não vou entrar nessas coisas...



PG Tu pensas que a comunidade hetero se tem afastado do festival devido a uma evolução política da esquerda para a direita ou por outras razões?

O ponto principal foi o 11 de Setembro. Eu nunca me esqueço, eu estava na conferencia de imprensa do 5º Festival. Foi um festival que talvez tivesse sido o melhor festival de sempre: eu tinha realizadores, actores... era um ano de ouro total e de repente, tudo se perdeu. Era um ano de viragem com todos os convidados que eu tinha foi um grande azar aquilo tudo ter acontecido naquele preciso momento. Quando aquelas coisas caíram eu senti que o mundo nunca mais seria o mesmo, e o mundo não é mais o mesmo... estabeleceu-se um medo e esse medo está ao nível das diferenças sejam elas qual forem, e o Festival ressentiu-se também com isso.

Entrevista realizada pelo PortugalGay.PT em 13 de Setembro de 2003.
Fotos e Texto © 2003 PortugalGay.PT - Todos os Direitos Reservados
 

Celso Júnior - 7º Festival GL

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
A Sua Opinião
Tem alguma sugestão ou comentário a esta página?
Publicar a pergunta e resposta no Facebook PortugalGay.pt.

Nota: reservamos-nos o direito de selecionar e/ou ajustar as perguntas publicadas.

Não é um robot

Por favor marque as caixas UM e SETE.
Depois clique em OK.

© 1996-2018 PortugalGay®.pt - Todos os direitos reservados
Portugal Gay | Portugal LGBT Pride | Casamento Civil para Todas as Famílias | Queer Lisboa | Jovem Gay | Portugal LGBT Guide | Mr Gay Portugal